domingo, 19 de novembro de 201719/11/2017
(33) 98412-3811
POLÍTICA
Daciolo pede “Reforma na bancada evangélica”
Pastor Takayama, presidente da bancada, classifica atitude de "postura maldosa"
Moisés de Oliveira MANHUAÇU - MG
Postada em 31/10/2017 ás 21h42
Daciolo pede “Reforma na bancada evangélica”

O deputado Cabo Daciolo (Avante/RJ) tomou a iniciativa de transmitir parte do evento pelo Facebook, mas fez duras críticas ao evento. O parlamentar afirma que pediu para fazer um pronunciamento, mas não foi atendido.

Em 31 de outubro de 2017 os 500 anos da Reforma Protestante estão sendo lembrando em milhares de eventos comemorativos em todo o mundo. Por iniciativa do deputado pastor Hidekazu Takyama (PSC/PR), o Congresso Nacional teve uma sessão solene com este tema na manhã de hoje.


Diversos deputados e deputadas da Frente Parlamentar Evangélica fizeram uso da palavra, destacando a importância do movimento iniciado por Martinho Lutero.


O deputado Cabo Daciolo (Avante/RJ) tomou a iniciativa de transmitir parte do evento pelo Facebook, mas fez duras críticas ao evento. O parlamentar afirma que pediu para fazer um pronunciamento, mas não foi atendido.


“Nós estamos precisando de uma Reforma, como foi a Reforma Protestante, mas na bancada evangélica”, disparou. Fiel ao seu estilo, ele citou vários versículos e passou a exortar os demais membros da bancada, afirmando que muitos “perderam o temor com o Senhor Jesus Cristo”.


Finalizou dizendo que há “homens que dizem ser de Deus, mas estão envolvidos com a maçonaria”. Mesmo sem citar nomes, ficou claro que se referia a membros do bloco parlamentar do qual ele fazia parte, mas se desligou no primeiro semestre deste ano.


Com informações - Gospel Prime

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô: